Podcast Diãlogos em Movimento

Parceria entre Movimento Pessoas à Frente e FGV, evento reuniu especialistas para debater aprimoramento da gestão pública no Brasil

O auditório da Escola de Economia de São Paulo da FGV recebeu, na sexta-feira, dia 27/10, uma edição especial do Café com Movimento, que teve como tema Qual Reforma Administrativa Queremos?. Representantes do Movimento Pessoas à Frente, especialistas e representantes do governo federal debateram os principais temas que desafiam o setor público brasileiro, especialmente o que envolve a seleção, gestão de pessoas e o desenvolvimento de carreiras de forma mais equitativa. 

No mesmo dia em que o Movimento lançou a pesquisa Datafolha Opinião dos brasileiros sobre funcionalismo público e lideranças, com dados que reforçam a importância da diversidade e da representatividade no setor público para grande parte da população, a redução das desigualdades e a importância da diversidade para atender as especificidades do país foram temas presentes ao longo de todo debate.  

Segundo o levantamento divulgado, 56% dos brasileiros não acreditam que o quadro de servidores públicos seja representativo da sociedade, enquanto mais de 85% acreditam que ações para promover a igualdade de gênero e raça no setor são importantes. Tendo como pano de fundo a importância de melhorar o Estado brasileiro a partir da valorização das pessoas que atuam no setor público, a última edição do Café com Movimento discutiu reserva de vagas em concursos, a qualificação de funcionários públicos, a importância de construir políticas públicas baseadas em dados e considerando as especificidades do país.  

Abrindo a mesa de debate, a professora da USP e secretária de Políticas de Ações Afirmativas e Combate e Superação do Racismo do Ministério da Igualdade Racial, Márcia Lima, destacou ações que vêm sendo desenvolvidas no governo federal na direção da equidade racial, especialmente voltadas à progressão da carreira de pessoas negras. Ela também reforçou o consenso entre pesquisadores e literatura acadêmica sobre a importância do serviço público tomar protagonismo no combate às desigualdades raciais. 

“Um Estado que não faz o seu dever de casa da diversidade não pode cobrar que outros o façam. A secretaria tem investido muito na qualificação dos servidores em relação à temática racial e também em cursos para lideranças negras, focando na capacitação desses servidores e servidoras para ocupar cargos de destaque”, destacou a secretária. 

Também integraram a mesa de debate o professor da FGV-RJ e atual secretário extraordinário para Transformação do Estado do Ministério de Gestão e Inovação, Francisco Gaetani; a secretária de Integridade Pública da Controladoria Geral da União (CGU), Izabela Correa; o professor do Insper e Secretário de Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas e Assuntos Econômicos no Ministério do Planejamento e Orçamento, Sérgio Firpo; e o presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado (Fonacate), Rudnei Marques. A medição da mesa ficou a cargo do professor e integrante do Movimento Pessoas à Frente, Carlos Ari Sundfeld. 

Sérgio Firpo se debruçou sobre a questão das desigualdades brasileiras e a dificuldade de transpor suas barreiras estruturais, reforçando a opinião de que o setor público ainda falha mais do que o privado nessa agenda e destaca a necessidade de aprimorar as estratégias de recrutamento do setor público. 

Ao longo do debate, tiveram destaque alguns temas atuais para a gestão pública no país, como a necessidade de dar transparência aos dados sobre servidores, considerado por Izabela Correa como “o direito dos direitos”. A edição Especial do Café com Movimento: Qual Reforma Administrativa Queremos? aconteceu em uma parceria entre o Movimento Pessoas à Frente e a EESP FGV, reforçando a intenção de contribuir para o aprimoramento da gestão pública no Brasil. Confira o debate em nosso canal do Youtube.

A desigualdade que assola a sociedade brasileira também se reproduz no funcionalismo

Enquanto a maioria recebe pouco por elite é beneficiada com supersalários. A Constituição estabelece como teto, a remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Hoje, cerca de trinta e nove mil reais ou seleto grupo em torno de vinte cinco mil pessoas bem mais do que isso. De acordo com o Centro de liderança pública, graças à penduricalhos como auxílio paletó ou moradia.

Assista reportagem da TV Cultura

Levantamento feito pelo Datafolha ouviu 2.072 pessoas sobre o tema. Cerca de 25 mil servidores públicos no Brasil recebem acima do teto

Pesquisa do Datafolha mostrou que 93% das pessoas são contrárias aos “supersalários” pagos pelo governo a funcionários públicos. O teto previsto em lei para um servidor é de R$ 39,2 mil mensais.

O instituto ouviu 2.072 pessoas no levantamento, realizado entre os dias 9 e 20 de julho deste ano. O estudo, encomendado pelo Movimento Pessoas à Frente, utilizou metodologia quantitativa através de entrevistas com indivíduos maiores de 16 anos, de maneira presencial.

As mais de 2 mil pessoas responderam à pergunta: “Você é a favor ou contra que funcionários públicos que ganham R$ 39.200,00 possam receber, além do seu salário, auxílios em dinheiro?”. Do total de entrevistados, 93% disseram não concordar enquanto 6% afirmaram concordar e 1% responderam não saber.

Leia mais em Metrópoles

Funcionários com pagamentos acima do teto constitucional consomem R$ 2,6 bilhões dos cofres públicos por ano

O fim dos supersalários no funcionalismo é quase uma unanimidade entre os brasileiros. Uma pesquisa realizada pelo Datafolha mostra que nove em cada dez pessoas, ou 93% da população, defendem que a remuneração dos servidores não ultrapasse o teto constitucional, que hoje é de R$ 39,2 mil mensais.

O estudo foi encomendado pelo Movimento Pessoas à Frente, formado por integrantes da sociedade civil, e ouviu 2.072 pessoas entre os dias 9 e 20 de julho deste ano.

Cibele Franzese, professora da FGV EAESP e integrante do Pessoas à Frente, explica que os supersalários se concentram no Judiciário, nas carreiras jurídicas e no Legislativo.

Leia mais no IG

Quer saber mais sobre
o Movimento?

Veja nosso FAQ, com as perguntas mais frequentes da comunidade.

Saiba Mais
Integrantes do Movimento

Inscreva-se para receber nosso Boletim informativo mensal